Melhoria nos processos: Projeto SEEfast!

Empresas de qualquer tamanho possuem altos e baixos. Existem momentos em que os acionistas necessitam de uma visão mais ampla da situação da empresa e de quais são os reais desafios a serem enfrentados. Muitas das discussões finalizam no que chamamos de “micromanagement”, ou seja, uma visão setorial de cada problema e de possíveis soluções, como a melhoria nos processos.

A THOMPSON desde 2000 vem desenvolvendo uma visão 360 graus por meio de uma metodologia que chamamos de SEEFAST (“Olhar Rápido” em inglês). Essa metodologia possui seis frentes de análise para a melhoria nos processos internos.

Verificações:

  1. Análise do Market-in;

  2. Análise do Product-out;

  3. Análise Financeira;

  4. Análise da Organização;

  5. Análise dos Processos;

  6. Análise de Inovação.

1. Análise do Market-in

A primeira frente de análise é o mercado onde a empresa está inserida, o que chamamos de MARKET-IN. Se o mercado por qualquer motivo que seja não estiver mais interessado nos produtos e serviços oferecidos pela empresa, por mais que se busque estar no mercado, a demanda não será suficiente para manter a empresa.

Já tivemos estudos originados do SEEFAST! que transformaram uma empresa de 600 profissionais em uma empresa de 100 profissionais focadas em um nicho de mercado que sobreviveu a uma transformação disruptiva. O diferencial é que a empresa de 100 profissionais obteve um lucro líquido 5 vezes maior do que a empresa anterior. Verificar se a empresa tem mercado é o primeiro resultado do SEEFAST!

2. Análise do Product-out

Vamos dizer que o mercado é saudável e ainda vai persistir por vários anos, a segunda análise do SEEFAST! é identificar se a empresa está com o produto certo para atender a esse mercado, o que chamamos de PRODUCT-OUT. A análise de produtos utiliza várias técnicas de identificação de portfólio de produtos, análise de produtos da concorrência, análise do posicionamento do produto frente ao mercado (Matriz BCG), etc.

Desenvolvemos um projeto para uma distribuidora e identificamos que as margens de contribuição de um determinado produto eram deficitárias para a empresa, contudo o produto era o motivo pelo qual os clientes faziam pedidos de outros produtos. A solução foi buscar um produto complementar com alta margem que fosse vendido em complemento ao produto deficitário.

3. Análise Financeira

Analisados os produtos, passamos para a análise financeira da empresa. Se a empresa tem mercado (demanda) e tem produtos (oferta), no financeiro teria que apresentar o resultado da operação. Muitas vezes identificamos que a retaguarda de gestão da empresa não comporta a operação que está sendo desenvolvida, o que leva a um trabalho de redução de custos de retaguarda, identificando claramente por meio de indicadores de mercado (benchmarks) onde existem possibilidades de redução de gastos (despesas, custos e investimentos).

Essa análise chamamos de FINANCE. A análise financeira tem que ser do simples para conceitos mais sofisticados. É comum vermos empresas que desenvolvem sistemas complexos de análises financeiras e acabam tendo uma miopia do que realmente está ocorrendo com o resultado financeiro e econômico. Muitas vezes essa miopia é estimulada por gestores que são remunerados por resultados.

4. Análise da Organização

A quarta análise é a ORGANIZATION, onde identificamos o modelo de negócio da empresa. Por meio de um banco de dados de desenhos organizacionais desenvolvido desde 2000, quando iniciamos a implementação do SEEFAST. Podemos identificar o modelo organizacional mais indicado para a empresa. Muitas vezes com o desenvolvimento de um CSC (Centro de Serviços Compartilhados) a organização fica mais leve e mais rápida em oferecer respostas aos clientes internos e externos.

5. Análise dos Processos

O quinto item de análise no SEEFAST! são os PROCESSOS. Muitas das soluções para problemas intermináveis é a revisão nos processos da empresa. A revisão dos processos primários, aqueles que tem relação direta com os clientes da empresa, para depois fazer a revisão dos processos secundários, que são os processos que apoiam os processos primários.

Apenas o desenho dos macroprocessos da empresa e a responsabilização pelo sucesso desses processos já trazem um ganho gigantesco em redução de recursos e agilidade. No diagnóstico SEEFAST! desenhamos os MACROPROCESSOS, e detalhamos os processos. Cada gestor fica com a responsabilidade de desenvolver suas atividades e tarefas. O grande benefício desse esforço é transformar o que era implícito em conhecimento explícito, sem a dependência de pessoas.

6. Análise de Inovação

O sexto e último item a ser analisado na metodologia é INOVAÇÃO. Nada adianta fazer todas as mudanças em uma empresa se os profissionais não desenvolver a capacidade de inovar. A inovação tem que ocorrer em todas as áreas: mercado, produto, finanças, organização e processos; ela é a força motriz da mudança na empresa.

Melhoria nos processos da IC Transportes

Em 2017 a THOMPSON foi contratada para realizar o SEEFAST! na IC Transportes. Os acionistas identificavam que existiam vários movimentos de mercado que não estavam sendo acompanhados pela empresa.

Hoje a IC Transportes é uma empresa líder no mercado brasileiro e reconhecida como especialista no transporte de matérias primas para fertilizantes, açúcar, combustíveis e gases do ar. Possui sede administrativa em Sumaré/SP e atendimento em mais de 17 filiais, presente em mais de cinco estados brasileiros. Segundo o Sr. Ivan Camargo a entrada da THOMPSON na IC Transportes foi um divisor de águas na gestão da empresa.

Para mais informações sobre o SEEFAST! e melhoria nos processos entre em contato.