• Av.Rouxinol, 55 Cj 1102 - Moema/São Paulo, BR
  • Seg-Sex das 08h30 às 18h00
  • +55 (11) 5041.2565

Governança Corporativa: Planejamento Empresarial e Sucessório

No universo empresarial, diversas teorias de gestão são adotadas, demonstrando que a organização (e seus lideres) seguem as tendências da moderna administração, e talvez por isso, várias destas metodologias tem tão pouca aderência prática na realidade na maioria das organizações.

Todavia, outros conceitos agregam valor às empresas, aos seus gestores e assim, ao mercado. Falar em Governança Corporativa é pensar na forma como a qual empresa perpetuará e de será longeva, proporcionando lucro aos seus acionistas.

Por este motivo então, percebe-se que este assunto não se trata de estar na vanguarda da gestão empresarial, mas sim de como a existência da empresa se garantirá.

A primeira ideia prática que se deve ter acerca da governança de uma empresa é saber se o fundador tem sucessores ou somente herdeiros. A diferença entre estes papéis é relevante, o Conde Francisco Matarazzo, que liderou um dos maiores grupos econômicos brasileiros tinha sucessores ou somente herdeiros?

E isso se torna um dilema, pois um dos objetivos do empreendedor quando funda seu negócio, é o de este seja o sustento seu e de sua família, e que seus descendentes estejam à frente dos negócios. Mas seus herdeiros tem o talento para seguir com a empresa do ponto em que está para ir a patamares mais altos?

Isso não quer dizer que a ausência de sucessores naturais afaste a família da empresa, Abílio Diniz (ex-presidente do Grupo Pão de Açúcar, herdeiro e sucessor do fundador desta rede varejista), diz que “a empresa não deve servir à família, mas a família pode sim servir à empresa”, ou seja, os herdeiros, enquanto acionistas, devem fazer uso do que suas cotas acionárias lhes permite, mas não devem, com isso impor-se somente por serem acionistas, mas podem ainda trabalhar e colaborar com o desenvolvimento da organização, naquilo que são reconhecidamente capazes.

Assim, a governança é a capacidade das sociedades (gestoras de uma empresa) de se munirem de sistemas de representação, instituições e processos, para se auto-gerirem, sendo o principal objetivo garantir (ou eventualmente recuperar) a confiabilidade de uma determinada empresa para os seus acionistas e o mercado, através de um conjunto eficiente de mecanismos, tanto de incentivos quanto de monitoramento, que assegurem que o comportamento dos executivos esteja sempre alinhado com o interesse dos acionistas e do mercado em que estão inseridas, e para tanto, são necessárias três habilidades:

Conceitual:
Permite avaliar todas as possibilidades, e ter segurança para a tomada de decisões. A combinação destas três habilidades e a “dose” de cada uma, é o fator critico de sucesso. Por isso, considerar a Governança Corporativa no planejamento geral da empresa é contribui para um desenvolvimento econômico sustentável, que apoie no desempenho das empresas, considerando argumentos como holdings, Conselhos e demais sistemas como premissas de prosperidade, e assim se evitando o risco de fracassos decorrentes de:

-Abusos de poder – dos controladores sobre os minoritários, da direção sobre o acionista e dos administradores sobre terceiros;
-Erros estratégicos – resultado a concentração de poder no executivo principal;
-Fraudes – uso de informações privilegiadas em benefício próprio, conflito de interesses, ou simplesmente de apropriação ilícita de recursos financeiros.

Gestão:
O sucessor deve conhecer o funcionamento do negócio e ter visão de marketing e finanças, estar ciente para onde o mercado caminha, e colocar a empresa neste sentido, de forma estruturada e sadia.

Humana:
Deve perceber as pessoas que o cerca, e inspirá-las, com isso ele irá promover um contínuo desenvolvimento da equipe.

De frente a isso, compreendemos então porque as práticas de Governança Corporativa estejam na agenda dos empreendedores e empresários com visão de futuro, e que entendem que suas empresas devem continuar lucrativas, e assim perpetuarem.

Logo-Thompson-Rodape

Somos uma empresa de consultoria estratégica com foco em processos, tecnologia, pessoas e resultados.

Se interessa por este assunto?

Então, cadastre-se e receba por e-mail novos conteúdos sobre o tema assim que forem publicados.

Thompson Management Horizons

Fundada em 1994, a Thompson Management Horizons do Brasil nasceu para tornar a gestão empresarial mais simples e eficiente.

Somos uma consultoria global de gestão e propomos as melhores soluções para aprimorar a performance dos nossos clientes, sejam elas estratégicas, operacionais ou tecnológicas.

Com mais de 500 projetos realizados em todo o país, contribuímos ativamente para melhorar o desempenho de empresas de diferentes portes e segmentos.